Rio mantém uso de máscaras em locais fechados e transportes, mas suspende todas as demais restrições

 Rio mantém uso de máscaras em locais fechados e transportes, mas suspende todas as demais restrições
Compartilhar

Paes libera lotação máxima em todos os estabelecimentos, incluindo estádios. Passaporte da vacina continua válido.

Decreto publicado no Diário Oficial do Município do Rio de Janeiro determina a continuidade do uso de máscaras em locais fechados — Foto: Reprodução/ Diário Oficial do Rio

Decreto publicado no Diário Oficial do Município do Rio de Janeiro determina a continuidade do uso de máscaras em locais fechados — Foto: Reprodução/ Diário Oficial do Rio

O prefeito Eduardo Paes (PSD) manteve a obrigatoriedade do uso de máscaras em ambientes fechados e nos transportes públicos do Rio, mas suspendeu todas as demais regras contra a Covid na cidade.

Um decreto publicado nesta sexta-feira (12) no Diário Oficial determina que cariocas continuem usando máscara em quaisquer locais fechados e revoga medidas restritivas estipuladas em decretos anteriores e em resoluções conjuntas entre estado e município.

O passaporte da vacina continua obrigatório para alguns estabelecimentos fechados.

Entre essas medidas, estavam:

  • o limite de ocupação em estabelecimentos comerciais e estádios;
  • o distanciamento das mesas em restaurantes;
  • o consumo em pé em bares;
  • a lotação em pistas de dança.

Paes deu ainda o exemplo do ar-condicionado em táxis, ônibus e carros de aplicativo: “Tá tudo liberado, pode ligar o ar!” Até então, os veículos tinham de andar de janelas abertas.

O prefeito também anunciou o primeiro evento público sem a necessidade do passaporte da vacina: será um encontro da Assembleia de Deus de Madureira no Parque Madureira, às 14h de segunda-feira (15).

“Na segunda-feira, dia 15, nós vamos fazer o primeiro evento público oficial de celebração deste momento. Não será nem o réveillon e nem o carnaval. O querido amigo, bispo Abner Ferreira, da igreja Assembleia de Deus de Madureira, vai realizar um grande encontro no Parque Madureira a partir das 14h, celebrando a vida com gratidão a Deus, até as 17h”, detalhou Paes.

“Provavelmente teremos a maior aglomeração da cidade neste momento, se Deus quiser, de fim da pandemia, e portanto quero deixar o convite a todos que compareçam.”

‘Mais restritivo que a ciência’

Paes disse que “pela primeira vez, desde que começou a pandemia” não está seguindo a ciência “para ser mais restritivo ainda que a ciência”.

“Eu acho que tem uma questão importante — o sinal e o que a gente comunica para a população. Na hora que a gente diz: ‘Olha, também não precisa usar dentro’, parece que a história acabou por completo. E não é assim. O vírus vai ficar por aí, provavelmente vai ficar por um tempo e é importante que as pessoas tenham consciência disso”, detalhou.

“É uma medida tomada muito mais de um ponto de vista pedagógico, educativo, do que científico. Se fossemos seguir a ciência hoje, estaríamos liberando completamente a utilização de máscaras em espaços fechados”, emendou.

Com máscara, apesar da meta

A manutenção das máscaras em locais fechados veio após uma transmissão pela internet durante a semana, quando Paes avisou da possibilidade confirmada nesta sexta, a despeito de a cidade chegar a 75% de cariocas vacinados. Essa era a meta para dispensar as máscaras por completo.

De acordo com o Painel Covid da Prefeitura do Rio, no começo da manhã desta sexta, a cidade contava com 72,9% da população total com a segunda dose ou a dose única da vacina contra a doença, totalizando quase cinco milhões de pessoas.

Máscaras liberadas em áreas abertas

No dia 28 de outubro, a Secretaria Estadual de Saúde do Rio de Janeiro publicou uma resolução que regulamentou a lei que permitiu a liberação do uso de máscaras em locais abertos na capital.

Assim, deixou de ser obrigatório usar máscara em áreas abertas nas cidades que se enquadrarem em duas condições: estar sob risco moderado, baixo ou muito baixo para Covid, de acordo com o mapa epidemiológico da semana; ter concluído a vacinação em 75% do público-alvo (indivíduos com 12 anos ou mais) e/ou 65% da população total.

O município do Rio de Janeiro se enquadra nas duas condições e permitiu a liberação do uso máscaras em áreas abertas e sem aglomeração.

Pedido por reforço amplo

Paes fez um pedido público ao Ministério da Saúde pela ampliação da dose de reforço. A cidade fará na semana que vem uma repescagem da terceira aplicação a todos os cariocas com 60 anos ou mais.

“Entendemos que seria interessante o Ministério da Saúde avançar na terceira dose para pessoas até 30 anos de idade. Para que a gente possa chegar ao réveillon com as pessoas de 50 ou 45 anos vacinadas, enfim, no verão, em fevereiro, março, com as pessoas até 30 anos recebendo a terceira dose. Este é um pleito que a cidade do Rio de Janeiro faz”, disse Paes.

Todos os comentários são de responsabilidade dos seus autores.